terça-feira, 8 de outubro de 2013

Sobre a própria finitude

O tempo que passamos nessa Terra é tão curto!
Pessoas incrivelmente longevas conseguem chegar aos 100, 105 anos...
Mas o que são 100 anos em um planeta que já tem aproximadamente 4 milhões de anos?
Somos pó e cinza, num dia existimos, no outro não resta mais nada, ecos distantes de sonhos e palpitações...
Por isso é tão urgente viver! Não apenas existir, mas VIVER!
Felicidade se aprende, treine todos os dias!
Não deixe o relógio tirar o foco do seu presente, não deixe o estresse cegar seus olhos para o que é realmente importante . 
Não existem fórmulas para a felicidade, não vou prescrever mais sorrisos, bom humor ou leveza para ver a vida, que embora sejam recomendáveis, são apenas sensações passageiras.
O necessário é a renovação da consciência, a certeza da própria finitude. Como aquele livro que percebemos já ter passado da metade e começamos a ler mais vagarosamente para saborear cada palavra e retardar o final.

Via: asoulman.tumblr.com



Comente com o Facebook: